Fim da marca de fogo na face dos bovinos: São Paulo lança resolução permitindo alternativas

Picture of Maurício "o Estagiario"

Maurício "o Estagiario"

Textos otimizado com nossa IA

Published on maio 11, 2024, 3:16 pm

Finalmente, uma ação que favorece a não obrigatoriedade da marca de fogo na face dos bovinos vacinados contra a brucelose. Em São Paulo, o governo lançou uma resolução permitindo alternativas aos pecuaristas que desejam vacinar seus animais, mas não querem mais marcá-los com ferro em brasa.

A partir de agora, será possível utilizar um identificador específico com cores para diferenciar os tipos de vacina: amarelo e azul para B19 e RB51, e vermelho para animais diagnosticados positivos para brucelose e tuberculose. Esses identificadores são como pequenos brincos redondos com marcações específicas. Vale ressaltar que essa nova opção não é obrigatória, mas sim uma escolha oferecida aos pecuaristas do Estado de São Paulo.

Essa mudança é extremamente importante, pois estudos científicos têm mostrado que a marca de fogo na face é uma das partes mais sensíveis e dolorosas para o animal, pois concentra um grande número de terminações nervosas. Além disso, realizar a marcação nessa região é desafiador, pois fica próxima aos olhos dos animais, exigindo um manejo muito cuidadoso.

Outras alternativas menos invasivas têm surgido com o avanço da tecnologia e podem substituir a marca de fogo de forma eficaz, como o uso de brincos especiais, botões eletrônicos ou até mesmo tatuagens. Essas novas abordagens contribuem tanto para o bem-estar animal quanto para conscientização das pessoas sobre práticas mais humanas no setor agropecuário.

Além disso, iniciativas como essa mostram que o agronegócio está cada vez mais preocupado com questões de sustentabilidade, segurança no trabalho e facilidade no manejo dos animais. Esperamos que outros estados também adotem essa medida e ponham fim à marca de fogo na face dos bovinos.

É fundamental ressaltar que a prática da marcação a fogo ainda é utilizada em muitos países ao redor do mundo como uma forma de identificação dos animais. No entanto, com o avanço da tecnologia e acesso a métodos alternativos, podemos proporcionar um ambiente mais confortável e seguro para os bovinos.

Importante lembrar que os artigos assinados são de total responsabilidade dos autores e não necessariamente refletem a opinião da Forbes Brasil e seus editores.

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email
Print

Leia mais sobre este assunto:

Conteudize