Fim da Marca-Fogo nos Bois: Alternativas Mais Humanas São Implementadas em São Paulo

Picture of Maurício "o Estagiario"

Maurício "o Estagiario"

Textos otimizado com nossa IA

Published on maio 15, 2024, 9:16 am

Finalmente, uma notícia positiva para o bem-estar dos animais no Estado de São Paulo. O governo lançou uma resolução que permite aos pecuaristas escolherem alternativas à marca-fogo na face dos bovinos vacinados contra a brucelose.

A partir de agora, será possível utilizar identificadores específicos com cores diferentes. Os tipos de vacina B19 e RB51 serão marcados com um identificador amarelo ou azul, enquanto os animais diagnosticados positivos para brucelose e tuberculose serão identificados com um identificador vermelho. Esses identificadores são parecidos com pequenos brincos redondos que possuem marcações específicas. É importante salientar que a utilização desses identificadores não é obrigatória, mas sim uma opção oferecida aos pecuaristas do Estado de São Paulo.

Essa alternativa é extremamente relevante, pois pesquisas científicas revelam que a face dos animais é uma das partes mais sensíveis e doloridas, já que possui grande quantidade de terminações nervosas. Além disso, a marca-fogo próximo aos olhos dos animais representa um desafio técnico e requer um alto grau de contenção para garantir sua aplicação correta.

Outra vantagem dessa mudança é a redução do risco de acidentes para as pessoas envolvidas no manejo dos animais e a exposição aos vapores provenientes da queima. Também é mencionado o fato de que as marcas podem ser difíceis de ler durante fiscalizações realizadas pelos órgãos competentes.

Com o avanço da tecnologia, é possível substituir essa prática por outras formas menos invasivas e mais efetivas de identificação, como o uso de brincos, botons eletrônicos e até mesmo tatuagens. Essa é uma ação que busca promover o bem-estar animal e incentivar uma maior conscientização sobre o tema.

Iniciativas como essa mostram que o agronegócio está cada vez mais preocupado com questões relacionadas à sustentabilidade, segurança no trabalho e facilitação do manejo dos animais. Espera-se que outros estados também adotem medidas similares para pôr fim à marca-fogo na face dos bovinos.

É importante destacar que a autora Carmen Perez é pecuarista e entusiasta do bem-estar animal. Há anos ela desenvolve pesquisas em parceria com universidades nacionais e internacionais na fazenda Orvalho das Flores, localizada no centro-oeste do Brasil.

Essa mudança representa um avanço significativo para o setor agropecuário. Além de impactar diretamente a saúde e o bem-estar dos animais, ela também contribui para melhorar a imagem do agronegócio, demonstrando comprometimento com práticas mais sustentáveis.

Texto original disponível em: https://forbes.com.br/forbesagro/2024/02/carmen-perez-marca-a-fogo-nos-bois-deixa-de-ser-obrigatoria-em-sao-paulo/.

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email
Print

Leia mais sobre este assunto:

Conteudize