Regulamentando o Uso de Inteligência Artificial na Publicidade Política: Meta Impõe Novas Exigências para Anunciantes

Maurício "o Estagiario"

Maurício "o Estagiario"

Textos otimizado com nossa IA

Published on novembro 9, 2023, 5:56 am

A Meta, empresa matriz do Facebook e Instagram, anunciou uma nova exigência para os anunciantes: eles terão que declarar o uso de Inteligência Artificial (IA) ou outros softwares para criar ou alterar imagens ou áudios em propaganda política. Essa medida global entrará em vigor no início do próximo ano.

De acordo com Nick Clegg, presidente de assuntos globais da Meta, os anunciantes que promovem questões sociais, eleições e política serão obrigados a indicar se as imagens ou sons foram criados ou alterados digitalmente, incluindo o uso de IA para fazer com que pessoas reais digam coisas que não disseram. Além disso, eles também precisarão revelar quando usam IA para criar pessoas ou eventos falsos que pareçam reais.

A Meta também anunciou que seus parceiros de verificação, como a AFP, poderão rotular conteúdos como “alterados” se eles determinarem que foram criados ou editados de forma enganosa.

Essa medida visa combater possíveis fraudes durante as eleições, já que a IA cada vez mais poderosa traz preocupações nesse sentido. A Microsoft também está tomando medidas nesse sentido e planeja lançar ferramentas em 2024 que permitirão aos candidatos incluir “credenciais” em imagens e vídeos produzidos por eles. Além disso, a empresa criará uma equipe para auxiliar as campanhas políticas no combate às ameaças baseadas em IA.

É importante regular o uso da IA na publicidade política para garantir transparência e evitar manipulações enganosas. Ao saber se uma imagem ou áudio foi criado ou alterado digitalmente, os usuários poderão avaliar melhor o conteúdo e tomar decisões informadas. A utilização de tecnologias como IA demanda responsabilidade por parte dos anunciantes, e essa medida da Meta é um passo importante nessa direção.

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email
Print

Leia mais sobre este assunto:

Conteudize