São Paulo apresenta nova marca para setor agropecuário e busca reduzir a prática da marcação a fogo nos animais

Picture of Maurício "o Estagiario"

Maurício "o Estagiario"

Textos otimizado com nossa IA

Published on maio 14, 2024, 5:15 pm

Nesta quarta-feira, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo apresentou uma nova marca para o setor agropecuário. O foco é reduzir ou eliminar a prática da marcação a fogo nos animais, por meio da criação do Plano Estadual de Bem-Estar Animal. Essa medida visa promover boas práticas, valorizar a pecuária paulista e abrir novos mercados internacionais.

A vacinação contra brucelose é obrigatória para fêmeas entre 3 e 8 meses de idade, sendo realizada apenas uma vez. Agora, foi apresentado um novo modelo de identificação dessa vacinação, com o intuito de substituir a tradicional marca a fogo nas bezerras. Vale ressaltar que essa alternativa não é obrigatória, mas incentivada como forma de estimular produtividade e qualidade no manejo dos animais. Além disso, contribui para aumentar a segurança do trabalhador rural e do médico veterinário responsável pela vacinação.

As resoluções assinadas pelo secretário Guilherme Piai também recomendam procedimentos básicos de bem-estar animal para eventos de concentração e atualizam diretrizes do Programa Estadual de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal em São Paulo. Assim, o estado se destaca ao dar aos pecuaristas a opção de escolha sobre realizar ou não a marcação no gado. Para aqueles que optarem pelo novo modelo, o manejo será mais adequado, gerando menos estresse tanto para os animais quanto para os profissionais envolvidos.

Essa iniciativa pioneira de São Paulo visa ser um exemplo para outros estados do Brasil, deixando um legado importante em relação ao bem-estar animal. A pecuarista Carmen Perez, homenageada no evento por sua defesa nessa área, ressalta que essa escolha é de extrema importância e destaca os benefícios sustentáveis e produtivos que a inovação trará para a cadeia produtiva.

O professor do Departamento de Zootecnia da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Jaboticabal e especialista em Bem-Estar Animal, Mateus Paranhos, enfatiza que essa mudança representa uma nova abordagem para a marca a fogo. Ele destaca a importância dessa iniciativa para o estado e ressalta que a mudança de comportamento é sempre desafiadora, mas necessária para proteger a cadeia produtiva.

Com essa nova medida adotada pelo Estado de São Paulo, espera-se garantir um manejo mais adequado dos animais, além de promover uma imagem positiva do setor pecuário paulista e seus produtos. É uma forma também de se adaptar às demandas internacionais cada vez mais restritivas quanto à prática da marcação a fogo nos animais.

Fonte: Forbes Brasil

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email
Print

Leia mais sobre este assunto:

Conteudize