São Paulo lidera iniciativa pioneira para reduzir marca a fogo em animais e promover bem-estar animal no setor agropecuário.

Picture of Maurício "o Estagiario"

Maurício "o Estagiario"

Textos otimizado com nossa IA

Published on maio 11, 2024, 5:14 am

Nesta quarta-feira (28), a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo apresentou uma novidade que impactará o setor agropecuário. O secretário de Agricultura, Guilherme Piai, assinou resoluções que criam o Plano Estadual de Bem-Estar Animal e introduzem um novo modelo de identificação da vacinação contra a brucelose, com o objetivo de reduzir ou até mesmo eliminar a marca a fogo nos animais.

Essa iniciativa pioneira coloca São Paulo mais uma vez à frente, proporcionando segurança jurídica, promovendo boas práticas e agregando valor à pecuária paulista. Além disso, abre caminhos para novos mercados internacionais que são cada vez mais exigentes na questão do bem-estar animal.

A vacinação contra a brucelose é obrigatória e deve ser realizada em fêmeas com idade entre 3 e 8 meses, apenas uma vez na vida. A Secretaria apresentou um novo modelo de identificação dessa vacinação como alternativa à marca a fogo utilizada nas bezerras. Essa medida visa estimular a produtividade e melhorar a qualidade do manejo, ao mesmo tempo em que aumenta a segurança dos profissionais envolvidos no processo, como os trabalhadores rurais e médicos veterinários responsáveis pela vacinação. Vale destacar que o bem-estar animal contribui para uma imagem positiva do setor pecuário paulista e seus produtos.

As resoluções assinadas pelo secretário Guilherme Piai estabelecem o Plano Estadual de Bem-Estar Animal; recomendam procedimentos básicos de bem-estar para eventos de concentração e atualizam diretrizes do Programa Estadual de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal em São Paulo. Essa iniciativa coloca São Paulo como o primeiro estado brasileiro a oferecer aos pecuaristas a opção de não marcar o gado. Para aqueles que optarem pelo novo modelo, o manejo será mais adequado, reduzindo o estresse dos animais e facilitando o trabalho dos veterinários. São Paulo lidera esse processo e espera que outros estados sigam esse exemplo importante.

Durante o evento, foi prestada uma homenagem à pecuarista Carmen Perez, reconhecida por sua atuação na defesa do bem-estar animal. Ela concorda com os benefícios sustentáveis e produtivos dessa inovação e ressalta a importância desse avanço promovido por um estado tão respeitado como São Paulo.

Outro homenageado foi Mateus Paranhos, professor do Departamento de Zootecnia da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Jaboticabal e especialista em Bem-Estar Animal. Ele destacou que esse evento representa uma mudança de paradigma em relação à marca a fogo. Segundo ele, é fundamental que São Paulo assuma essa postura, pois a cadeia produtiva não pode ficar vulnerável nesse aspecto.

Essa alternativa à marca a fogo em bovinos apresentada pelo Estado de São Paulo mostra uma preocupação crescente com o bem-estar animal no setor agropecuário. Iniciativas como essa valorizam não apenas os produtores, mas também contribuem para uma imagem positiva do país perante os mercados internacionais. A busca por melhores práticas e o uso de tecnologias inovadoras são essenciais nessa jornada rumo a um futuro mais sustentável e ético na agropecuária.

Fonte: Forbes Brasil

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email
Print

Leia mais sobre este assunto:

Conteudize